Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Uma resposta

Setembro 17, 2011

A pergunta mais estranha que me fizeram num encontro? Uma rapariga perguntou-me se eu tinha encontrado Deus. E eu, que sou um ser humano perturbado respondi: “Sim, está dentro das minhas calças.” O encontro não durou muito mais …
(Justin Timberlake)

Não sei

Julho 21, 2011

Apetece-me escrever mas não sei o quê … por isso acho que vou ficar mais um tempo em silêncio, quem sabe grito alguma coisa.

Dubai

Novembro 29, 2009

A minha primeira impressão? Que é tudo muito falso, sem personalidade. Parece que nada encaixa no sítio certo. Estamos no Médio Oriente mas de repente algo nos faz lembrar Manhattan, logo a seguir Paris, tudo foi copiado de algum sítio e construído aqui. Cada vez mais sei que me impressiono com a obra da natureza e esta é a obra do homem.

Mas claro que uma obra fantástica. Os prédios altos, as torres saltam à primeira vista, ficamos logo de boca aberta, nunca vi nada assim. Depois pensar na obra que é The Palm Jumeirah, outra obra impressionante feita pelo homem. A torre Burj Dubai (the world’s tallest tower- 2010). O Burj Al Arab, o único Hotel de 7 estrelas do mundo que descansa numa ilha feita pelo homem. Atlantis, situado na ponta da Palmeira. A Sheikh Zayed Road com as suas 6 faixas de casa lado. Tudo obras feitas pela mão do homem e que impressionam de tão grandiosas e luxuosas.

20091129_69

Falando do que fiz, visitei o Museu do Dubai que gostei muito. Pequeno, simples mas muito bem conseguido, muito bem elaborado, basta 1:30 a 2 horas para ficarmos por dentro da história do Dubai, desde o tempo dos pescadores de pérolas até aos dias de hoje, o Dubai moderno. Muito interessante.

Passeio de barco pelo Creek, a bordo de um abra (só para nós) onde conseguimos ver Deira (parte mais antiga)  de um lado e Bur Dubai do outro. Cruzando os sítios histórico e os mercados, bem como as partes mais modernas da cidade.

Ski Dubai, dentro do Mall of Emirates  com 5 pistas de neve, rampas, e um “snow park” onde nós estivemos e congelamos :-) , a brincar com a neve.

Fizemos um tour ao deserto que não foi bem aquilo que esperávamos e acabámos por não andar de camelo (porque de manhã eles estão a comer). Mas o driver fez um rali nas dunas que valeu a manhã e ainda andamos de moto 4. Só faltou mesmo andar de camelo mas fica para a próxima noutro deserto qualquer.

Um cocktail de fim de tarde no Burl Al Arab para ver como é um Hotel de 7 estrelas, onde o luxo, e o ouro, são as palavras de ordem.

Jantar na Dubai Marina, linda, rodeada de arranha-céus, nunca tinha visto uma marina com prédios altos :-) . Mas fumam muita xixa e por vezes é um cheiro insuportável.

Ainda tempo para um mojito no Vu’s Bar nas Emirates Towers, torres gémeas (uma com 355m e a outra com 305), no 51º andar com uma vista soberba sobre a cidade.

Dia passado em Atlantis, na ponta da palmeira, com parque aquático e a cereja no topo, o beijo ao golfinho. 90 minutos na Dolphin Bay onde aprendemos muita coisa sobre os golfinhos e depois 30 minutos onde estamos lado a lado com ele. O nosso era o Linux, e coinscidentemente o tratador era o Valter, um angolano que também já passou por Portugal :-) … o mundo é pequeno (ou Angola é grande ;-) )

… e muito pouco shopping . Mas claro que estivemos em centros comerciais. No Dubai Mall, tempo para ver o show na Fountain (desenhado pela mesma equipa que desenhou as famosas Bellagio fountains em Las Vegas), uma bela combinação de água, luz e música.

Algumas coisas ficaram por fazer, ver a Mesquita, Jumeira Mosque, a única que permite a entrada de não-muçulmanos. Os mercados, um tour a Abu-Dhabi, um dia na praia.

Fiquei com a impressão que os árabes não são simpáticos, nunca tinha sido pisada por alguém que não me pediu desculpa a seguir, nunca tinha sido tantas vezes empurrada nas filas sem ninguém pedir licença. Muitos aspectos culturais nos marcam pela diferença, ninguém é melhor do que ninguém mas somos realmente diferentes.

Tudo no Dubai é maior e autoproclamado melhor: o hotel Burj Al Arab é o único sete-estrelas do mundo; o prédio Burj Dubai será o mais alto do planeta quando estiver pronto, em 2010, assim como o shopping Dubai Mall e o complexo de entretenimento Dubailand prometem impressionar.
A cidade tem praias e até ilhas artificiais, resorts fantásticos, shoppings gigantes. Com as reservas de petróleo no limite investiu no marketing do turismo, para criar uma fonte de renda inesgotável.

Mas a crise já chegou aqui, as obras, muitas delas, estão paradas e fui recebida na 4ª feira com a notícia de que este emirado (um dos 7) pedia para adiar o reembolso de parte de sua dívida, da empresa de investimentos estatal Dubai World (59 biliões), o que levou o  pânico aos mercados.

Não sei como serão os próximos tempos, neste pequeno paraíso de luxo.

Estes não são de Van Gogh

Setembro 1, 2009
kianda 28/08/2009

kianda 28/08/2009

São meus. Foram prometidos aos 38, chegaram aos 39, nada mau. Adoro receber prendas, adoro receber flores, adoro fazer anos, adoro o meu dia e adoro festejá-lo. Digo sempre que, se calhar um dia não vou gostar mais porque a idade começará a pesar, não sei, mas o que é certo é que, mais uma vez, gostei muito deste jantar.

A vida não me tem dado dias fáceis, por esta ou aquela razão, por vezes até parece que o relógio gira ao contrário, não no sentido de o tempo andar para trás, o que se calhar até seria bom, mas no sentido do caos que seria o mundo a andar para um lado e eu a andar no sentido contrário tentando acompanhar, ao mesmo tempo, esse mesmo mundo. Dá pra imaginar?! É mesmo isso, cansa.

Mas, no meio desse caos, por vezes diário, quando olho à minha volta e vejo, no dia dos meus anos, os parabéns que recebi desde as zero horas, em forma de telefonemas, sms, emails, posts em blogs, facebook, beijinhos, carinhos, as flores, as prendas, não posso deixar de sentir e pensar, como sou feliz e só posso ser feliz para poder retribuir tudo isso que todos me deram.

Do fundo do meu coração, o maior beijo de obrigada.

Fazemos tudo por si

Janeiro 15, 2009

Acho que sou uma pessoa preguiçosa, tenho que admitir.  E com a conjuntura de viver sozinha com o meu filho, de trabalhar, de ter um cão :-) falta-me tempo para tudo e principalmente para a parte burocrática da vida.

Assim sendo, ao encontrar um folheto na caixa de correio que dizia “Fazemos tudo por si” , os meus olhos brilharam. Eles estão na Parede e estao na net. E aqui ficam algumas coisas que fazem, eu vou guardar o contacto … just in case!

Serviços ocasionais

  • Serviços de “estafeta” local
  • Levantamento ou entrega de correio
  • Compra de medicamentos
  • Levantamento de análises ou exames médicos
  • Pagamentos de água, luz ou gaz
  • Entrega ou levantamento de roupa na lavandaria
  • Guarda de crianças ou de idosos
  • Preparar festas de aniversário ou comprar presentes
  • Compra ou levantamento de bilhetes para espectáculos
  • Refeições ligeiras na sua casa ou escritório
  • Entrega de roupa para limpar a seco
  • … ou qualquer outra necessidade sua a que possamos atender
  • Serviços rotinados

    • Levamos-lhe o jornal diariamente
    • Pão fresco pela manhã na sua residência ou escritório
    • Alimentamos ou passeamos os seus animais de estimação
    • … ou qualquer outra necessidade sua que possamos assegurar

    Serviços de proximidade

  • Tratamos de toda a sua documentação
  • Fotografias tipo passe
  • Fotocópias (pequenas quantidades)
  • Digitalizações
  • Impressão de documentos
  • Envio e recebimento de faxes ou de correio electrónico
  • Cacifos fechados para depósito temporário de volumes
  • Óbidos

    Dezembro 10, 2008

    Foi um belo passeio na segunda feira dia 8. Óbidos é realmente uma encantadora povoação de casas brancas encerradas numa muralha do século XIV.  Fica a 1hora de Lisboa e é realmente um passeio muito agradável, a qualquer altura do ano.

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    As crianças – e nós também – adoraram a Vila Natal, com muita cor e muita animação. A Vila Natal está aberta até dia 4 de Janeiro de 2009. Com a magia do Natal e a história do Quebra-Nozes como pano de fundo.

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    ©Kianda - Óbidos - 08Dez08

    O número 10 – Rui Costa

    Maio 12, 2008

    Emocionada sim, mas com orgulho me despeço de ti da mesma maneira que te despediste de nós. Orgulho no homem, no ser humano, na classe, na humildade, no carácter e no benfiquismo sem igual, te garanto que não há Benfiquista à face da terra (e até mesmo na lua) que não se lembre das tuas lágrimas quando marcaste aquele golo da Florentina ao nosso Benfica.
    Em casa, de pé, aplaudi-te pela última vez. Só me resta desejar-te muita força e Boa Sorte no próximo desafio.
    Já tenho Saudades, MAESTRO !!!

    Sagrada Esperança

    Abril 19, 2008

    Tinha dito num post anterior que expunha a polémica sem dar a minha opinião, que mesmo assim acho que se lia nas entrelinhas, mas volto a este assunto para expressar que realmente não concordo com a palavra medíocre na crítica à poesia de Agostinho Neto e até posso não perceber nada de poesia.
    Ao voltar a pegar, e ler o livro “Sagrada Esperança – Poemas” de Agostinho Neto reeditado em Português, Francês e Inglês pela UEA e com ilustrações lindas de António P. Domingues, que faz parte da minha Biblioteca para que com todo o carinho possa mostrar ao meu filho um bocado da história do nosso País, não posse deixar de me indignar com as palavras de José Eduardo Agualusa.
    Não é política, é história, é a memória colectiva de um povo que estudou nas aulas de Português os textos que eram poesia de Neto.
    Eu, na minha ignorância – que assumo – acho que as críticas de livros, textos, poemas, quadros, devem ser reportadas , analisados à época que foram executados porque fora de um contexto as coisas podem não fazer sentido.
    Voltando ao livro, ao ler os agradecimentos fico presa no paragráfo que diz : “… No momento em que se realiza esta edição na sua forma definitiva, fruto do nosso trabalho … … eu e meus filhos dedicamos uma saudação fraternal a todos aqueles que amanhã lerão esta obra de liberdade.”
    E eu acrescento que essa obra de liberdade não pode ser , de certeza, medíocre.
    E como me sinto, como me devo sentir, ao dar uma volta pelo blog e me lembrar que em Abril do ano passado escrevi um post onde achava que talvez esta poesia de Neto ainda era actual.

    P.S. – Gosto muito dos livros de José Eduardo Agualusa

    Foi há um ano

    Abril 16, 2008

    Ainda em Luanda, na sala da Eduardo Mondlane [ex-Cabral Moncada para os saudosistas] resolvi começar a escrever este silêncio, há um ano atrás. Para brindar e para tentar sorrir, deixo-vos este pensamento do dia:
    << Casamento é um relacionamento a dois, no qual uma das pessoas está sempre certa e a outra é o marido >>

    Nelson por favor …

    Abril 30, 2007

    Há muito tempo que reclamo que o Nelson está embaixo de forma, ou em bom português, não tá a jogar nada! Mas hoje acho que o própio Nelson devia ter parado o jogo e pedido para sair, com o Nelson em campo, ou sem ele, estariamos sempre a jogar com 10 jogadores…Outra coisa que não entendo são as bolas pelo ar lá para a frente, que nunca, repito, nunca vão parar aos pés ou cabeças dos jogadores doBenfica (também a média de alturas não ajuda), o meio campo não toca na bola, porquê ??? Hoje voltou a acontecer ….

    Enfim, a equipa tá esgotada, não temos banco, fora o esforço e empenho de alguns jogadores individualmente, por vezes para além das próprias forças, só com muita força, teríamos chegado lá.

    Mas sempre com o Benfica no coração!!!


    Seguir

    Get every new post delivered to your Inbox.

    Junte-se a 424 outros seguidores