Alianças

Hoje, no Editorial do DiárioEconómico.pt 

“Angola foi o antídoto perfeito à anemia do mercado doméstico para as construtoras e exportadoras de todo o tipo de produtos de consumo, das cervejas aos carros de luxo. E, sobretudo, para os bancos, com o BPI e o Banco Espírito Santo à cabeça.

Agora, Luanda vem cobrar esta boleia. Não tendo instituições financeiras com a capacidade de gestão dos bancos portugueses, decidiu avançar com propostas irrecusáveis para todos: ou entregam metade do capital (menos um punhado de acções) das suas unidades locais a investidores angolanos, ou fecham a porta. É a maneira inteligente de tratar destes assuntos quando a malha da lei pode ser alterada de acordo com os interesses conjunturais de um país.

Normalmente estes negócios fazem-se atrás de portas fechadas, sem interferências externas. O azar da Sonangol – e de José Eduardo dos Santos, que patrocina a aproximação – foi ter escolhido como parceiro o BCP, um banco em estado de guerra. A petrolífera é o melhor aliado que alguém pode querer em Angola. A economia do país alimenta-se dos milhares de milhões de dólares das receitas do petróleo. E quem não gostaria de os poder beber directamente na fonte. Até os adversários de Teixeira Pinto reconhecem isto. Não resistiram a usar o pré-acordo com os angolanos como arma de arremesso numa batalha de poder interna. Fizeram mal.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: