Pai Herói !!!

Por vezes não é fácil criar um filho sem o pai presente. Mas mais dificil é criar um filho com um pai ausente. São cruzamentos que aparecem , dúvidas sobre o caminho a seguir, e nesses momentos o peso da responsabilidade é em dobro. Naquele momento em que queremos ser o colo e não a palmada.

Ele errou, pisou na bola, fez feio mesmo … mas lá estou eu, mais uma vez a dizer que tudo foi o máximo, correu bem como sempre.

Fingir que aquele pai que tem falhas, por vezes falhas grandes, por vezes muito grandes, é um herói … tá errado? Quando ocultamos algumas verdades, quando floreamos histórias porque estamos a protejer aquele ser tão nosso, estamos a agir certo? Eu acredito que sim.

Com todas as minhas forças, eu acredito que o caminho é esse, talvez ele bata um dia com a cabeça na parede mas eu estarei lá para soprar as feridas,

Mas, tenho plena consciência e pago a factura, que quanto mais eu fizer do pai um herói me tornarei menos heroína !!!

14 Respostas to “Pai Herói !!!”

  1. Ana Lima Says:

    Bom dia minha amiga,

    Não concordo contigo a 100%. Tudo tem que ter peso e medida. As crianças crescem,e, felizmente, porque essa é a lei da vida, começam a ver as coisas com os seus próprios olhos. Não conseguiremos sempre fazer com que vejam o mundo, a vida, e as pessoas com os nossos olhos ( e nem queremos que isso aconteça, queremos que eles sejam autónomos, tenham a sua opinião, a sua forma de ver o que os rodeia). Acho que quando o pai do nosso filho não é herói, como mães devemos arranjar uma forma de mostrar tanto o lado bom, como o lado mau. Não devemos criar um mundo imaginário, porque um dia ele vai descobrir. E se nós não o prepararmos para esse momento, e quanto mais nós fantasiarmos, maior será a queda. Beijo grande.

  2. Jo Ann v. Says:

    Acho que à medida que o tempo passa, dá para dizer cada vez mais coisas, mais verdades, mas sem nunca denigrir o pai.
    Sei que a minha mãe educou-nos quase sozinha, o meu pai viajava mais que estava em casa, e hoje que estão separados, é uma guerra, um ping pong para mostrar quem é melhor quem não é. Detesto isso e passo a vida à pôr a minha mãe no sítio (à boa maneira bantu, né, sem faltar o respeito nem nada), dizendo que o meu pai tem os seus defeitos, e eu os reconheço, mas não deixa de ser o meu pai.
    Continuando assim, só vai dar para ter o efeito contrário, em vez de pensar que a minha mãe é heroína, vou passar mais tempo a defender o meu pai. E eu não tenho que escolher. O problema é deles, não é o meu. Não tenho nada a ver com a separação e com os rancores.
    Então porquê continuar a pôr as crianças nessa guerra ? Não faz sentido…

  3. marta Says:

    Eu concordo com a idéia geral da Kianda…tenho filhos de idades bastante diferentes, com caracteres e maneiras de estar bem distintas e o certo é que, os três, cada um a sua maneira, natural (e julgo que até inconscientemente) acaba por valorizar mais as virtudes do pai desprezando o “menos bom” que o pai possa ter…o pai é “o ser dos fins de semana e das férias, prendas e afins” e por norma não “perde tempo” (e nem tem predisposição) para por exemplo corrigir, ralhar, castigar…sendo a mim que, normalmente, cabem todos os papéis (pro bom e pro mau)…nesse sentido é tarefa (quase) inglória estar a enfatizar/mostrar os defeitos do pai…penso que com a idade eles próprios descobrem o que tiverem que descobrir, na tal idade que já deverão ter maturidade para conseguir lidar (e gerir) esse tipo de situação…não floreio mas também (tento) não passar muito o lado negativo e defeitos que o pai possa ter…é o que tento, as vezes, é bem verdade que não consigo! Como diz o povo “pra quê dar murro em ponta de faca?”…cada coisa a seu tempo…
    Ana, um beijinho grande…saudades!
    Kianda, ser pai e mãe é fogo…mas também creio que é uma luta ganha, no sentido de que tentamos sempre fazer o melhor que sabemos…

  4. kianda Says:

    Era +/- isso que a Ana queria dizer, Jo, contar a verdade e deixar a criança fazer o seu próprio julgamento … percebo-te e concordo, no caso do meu post era a imagem de Herói na vida e não no casamento/relação.
    Ou seja, fantasiando imaginemos que o pai está preso por algum crime, devemos dizer que o pai viajou para longe? Será que mais tarde, ele irá de certeza saber não será pior ?
    Acho que a Ana quis dizer que podemos dizer que está preso, mas embelezar o crime 😉

  5. kianda Says:

    Não vi o teu comentário marta, enquanto tava a escrever o meu, houve aqui uma diferença no timimg…e alterei D. para Kianda, ok?.
    Concordo com o que disseste, mas a minha pergunta era se devemos fazer um herói quando não é e pagar a factura mais tarde … vide o meu comentário anterior, o exemplo do pai preso.

  6. Fernando Baião Says:

    e se for o contrário, o pai a criar os filhos, vai dizer o quê da mãe? Que foi embora e é a melhor do mundo, uma heroína? Ou está longe e vai voltar mais tarde ou mais cedo. Quando se trata da mãe o espírito machista dos homens é tentar denegri-la junto dos filhos, o que também não será correcto. Acho que cada caso é um caso. Terá sempre que haver bom senso com a educação dos bambinos. Não criar heroínas nem p…!

  7. marta Says:

    No exemplo do pai preso, eu não faria dele um herói…mas também não poria a coisa como se estivesse a falar com um adulto, por exemplo, não entrando em detalhes (ou julgando)…diria por exemplo “o pai cometeu um erro e tem que pagá-lo perante a justiça (do tipo o castigo dos adultos é dado pelo governo)”…sei lá…o que lhe diria dependeria em muito do grau de maturidade…não inventava uma história do tipo “viajou”…a meu ver essa factura seria bem mais alta a pagar…imagina que, o tempo se encarregasse de adiantar-se e antes do filho “ter idade para saber das coisas”, algum amigo/a lhe dissesse ou a criança via nas notícias/jornal (não é preciso ser famoso para aparecer nos media, bastaria por exemplo, uma reportagem ou documentário sobre reclusos…)…há situações em que as consequências (factura) são bem mais nefastas e ferem muito mais do que a verdade…
    De qualquer maneira é só uma opinião…só confrontada com os factos saberia realmente o que fazer…
    Beijinhos

  8. Says:

    Custa muito ver a desilusão estampada no rosto de um filho(a), custa mais ainda, quando o motivo dessa desilusão advém do seu próprio progenitor ausente (seja pai ou mãe). O que se passa é que muitas vezes o progenitor presente, sempre presente, para não ver essa desilusão estampada no rosto de um filho(a), justifica o injustificável, logo (in)conscientemente está a “limpar” a falha do progenitor ausente. Se vale à pena ou não?!! Não sei, mas a desilusão desapareceu dos olhos do filho(a), na próxima falha logo se verá.
    Um dia o filho perceberá que tudo foi feito apenas para vê-lo sorrir, enquanto o progenitor ausente, sempre ausente continua a ser o seu herói.

  9. Ana Lima Says:

    “Acho que a Ana quis dizer que podemos dizer que está preso, mas embelezar o crime”. Não quis dizer isso de maneira nenhuma. Neste caso a minha postura vai de encontro com o que disse a Marta. Cometeu um erro e tem que pagar por isso. O erro deve ser explicado de acordo c a maturidade da criança.
    Baião, a atitude correcta neste tipo de situações não difere por ser o pai ou a mãe. Quando é a mãe a sociedade é que julga de maneira diferente. Como disse a Jo, os adultos é que têm que se entender e tentar deixar as crianças sem pressões, fora da guerra dos adultos, a criança não tem que que fazer uma escolha!!

  10. kianda Says:

    Era exactamente isso, Xó, o prazer de ver o brilho nos olhos da criança quando sente o pai herói … a recompensa que é aquele momento. Se vale a pena ou não, qual o preço a pagar mais tarde, pois não sei …
    Quanto ao ser ou pai ou mãe concordo que o tratamento deve ser igual mas realmente a sociedade julga de maneira diferente.

  11. Fernando Baião Says:

    uma coisa é a atitude correcta, outra é o que esta sociedade, em que vivemos, nos “obriga” ao tal comportamento diferenciado. Se calhar noutras sociedades mais evoluidas o problema não se pôe com tanta acuidade. Também depende muito do grau de educação que os pais tenham adquirido. É como no tempo dos nossos avós, em que as crianças eram confrontadas com a pergunta sacramental,”Gostas mais do pai ou da mãe?”. Vocês acham que na sociedade em que fomos criados, em Angola, este problema se põe? A maior parte das jovens a partir dos 17 ou 18 anos já são mães solteiras e os pais são uns grandes munhungueiros, de heróis, só se foi na guerrilha.

  12. Paulo Russo Says:

    Hehehe… Um dos bloguistas fala em tempo dos avós e sociedade que fomos criados em Angola, é um contracenso, porque no caso, ou é um ou é outro… assim não chegam a situação nenhuma, ou se está a falar a sério ou a fazer romance. Quanto ao assunto em questão não há muito a dizer porque a criança não tem pai, é só esplicar o que é um pai e ele vai entender… Quanto a “embelezar”, não é correcto, porque quanto maior a mentira, maior é a dor da verdade, e mais vale uma criança triste por não ter pai, do que uma desiludida para toda a vida, porque os outros putos tão a crescer e vão se rir do que o teu diz, porque os pais comentam em casa.

  13. Fernando Baião Says:

    O bloguista Paulo Russo não entendeu a mensagem, cada sociedade encara o problema de maneira diferente, se for na Europa, o problema dos filhos criados sem pai ou mãe é encarado por um determinado prisma, mas se for em África ou Ásia será necessariamente diferente. Era a isso que eu me referia, deve o senhor Paulo Russo não ser precipitado e ler atentamente o teor das mensagens sem pressas.

  14. OTB Says:

    Autora, ora aqui esta um bom tema para o forum que o JES propos. No resto do vosso conhecimento da maior !!!!!! Eu sei que tu sabes !!!! Eu sei…. Gostei do termo “BLOGUISTA”. FALOU BONITO PR !!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: