Heroísmo

Porque será que gostei tanto deste texto, publicado na Revista Máxima de Junho na rubrica “Prosas Incompletas” e assinado por Clara Ferreira Alves?! Porque essa teimosia é que nos mantém vivos, mas não é tão simples como parece.

<< As pessoas que escapam da morte certa têm um olhar diferente das outras. Uma espécie de alheamento dos pequenos gestos, uma atenção distraída às miudezas da existênca, e um discurso directo ao assunto que parece insensibilidade e é a noção do tempo que passa. Uma pessoa a quem é dito que tem pouco tempo de vida sabe coisas que outras pessoas não sabem. O olhar fica mais fundo e calado, resisitindo à divagação que é a tendência dos imortais.
A mulher sentada à minha frente é muito jovem, 20 e tal anos, e uma cara lisa de uma palidez delicada, como uma boneca de porcelana chinesa. Enquando brinca com uma colher de metal, com a tal atenção distraída com que come o que está em cima da mesa, diz que os médicos lhe deram 6 meses de vida aos 23 anos. Seis meses de vida. Ou três meses de vida. Os médicos dizem muito estas verdades, pressupondo que queremos saber delas e que a verdade acima de tudo, como nos filmes, é um valor intrínseco do exercício da medicina. A minha experiência da condição humana doente, e doente terminal, pelos amigos e próximos que vi morrer, é que a verdade é o que menos interessa e que a esperança é a essência da sobrevivência. A morte intimida e saber da morte certa não suaviza nem a morte nem a vida que resta.
Diz que respondeu aos médicos que nem pensar, que ainda tinha muita coisa a fazer. Diz isso com uma voz calma e delicada como a face, e sem colocar acentos dramáticos na história, sem a pontuar ou abrir parágrafos, com a neutralidade de quem conta um episódio que se passasse com outra pessoa. Sofreu as operações, os tratamentos, as transfusões, a humilhação branda e sistemática do hospital, do internamento, da dependência e da fraqueza. Depois sobreviveu para além dos meses do prazo, sobreviveu anos. De seis em seis meses, sempre esta mania dos seis meses como prazo de prorrogação da vida, faz testes. Os anos passados dão-lhe a garantia de uma cura, ou de uma fase curada da doença. O facto de fazer testes continua a fazer da doença uma companhia, agora uma companhia que conhece bem e que não deixa aproximar-se do corpo.
Diz que sobreviveu porque se recusou a morrer, e isto não é tão simples como parece. Os médicos tratam-na como um “milagre da medicina”, um daqueles falsos casos perdidos, e tratam-na bem, gostam dela, vigiam-na com todo o cuidado, porque uma vida salva é uma consolação em casos com prognóstico tão fechado. Um cancro aos 20 anos.
E porque é que ela se recusou a morrer? Porque é que não se deixou ficar no seu canto e encomendar as últimas vontades, a tomar sedativos e antidepressivos, a entristecer e a perguntar a um deus desconhecido porquê eu? Porque é que não se lamentou e chorou e rasgou as vestes? Ela diz com a voz muito calma e a expressão inteligente. “É a cabeça. A minha cabeça.” E depois repete compassadamente “está tudo na cabeça”.
A palidez contrasta com o vestido negro. É uma palidez que não se deixa toldar por qualquer rubor e que lhe confere a beleza superior do exotismo. Os olhos são diferentes, sem a inocência da juvemtude. São olhos que viram demasiadas coisas antes do tempo. Como os olhos dos soldados que fizeram a guerra. Depois levantou-se nos saltos altos e caminhou sobre uma ladeira de pedras polidas sem tropeçar ou cair, como quem sabe o caminho. Uma ladeira das que não suportam saltos altos. Eu pensei, o heroísmo é isto, esta teimosia. Isto é ser heróico. Continuar a subir a ladeira. Não é tão simples como parece. >> 

Advertisements

7 Respostas to “Heroísmo”

  1. Fernando Baião Says:

    É verdade. Há muito o hábito de os médicos te darem prazos, quando a doença é mais grave. O problema da sobrevivência está na cabeça, se a pessoa se deixa ir na conversa deles, o prazo dado acaba por ser encurtado. Em França, nos hospitais de oncologia, nenhum doente está autorizado a andar de pijama pelos corredores, tem que tomar banho todos os dias e fazer a barba se forem homens. O aspecto exterior é caminho andado para o prolongamento dos dias de vida. Quantos não tem doenças terminais, saiem à rua e são atropelados mortalmente? Quantos já morreram de outras doenças, apesar de terem cancro? A minha avó dizia que a vida são dois dias e não tinha cancro.

  2. kianda Says:

    A tua avó também já anda a dizer muita coisa 🙂 … e um era o Carnaval …

  3. migas Says:

    Acho que é assim mesmo. Em circuntâncias menos boas, acabamos por encontrar forças! Já agora, e porque o texto “puxa” ao tema, deixo o link de uma menina, minha colega na faculdade, que não precisa de força, porque essa ela tem tido bastante mas, precisava de uma medula compatível. Para quem quiser e puder ajudar:

    http://podiasereu.no.sapo.pt/

    http://migascomgindungo.blogspot.com/2008/02/eduarda-muito-importante.html

    Já é uma cara conhecida nos meios de comunicação social em Portugal mas, nunca é demais relembrar! Thanks Kianda!

  4. Fernando Baião Says:

    Ó Kianda, num assunto tão sério, não percebi essa … e um era o Carnaval!!!. Explica porque não quero morrer burro.

  5. kianda Says:

    … costuma-se dizer “a vida são 2 dias e um é o carnaval” … exactamente para ilustrar como a vida é curta … o assunto continua sério!!!
    migas, fica a referência e os links, obrigada eu. Realmente ser dador de medula (constar da base de dados) não custa nada.

  6. f. Says:

    Esse tema me toca porque vi alguém que amo muito enfrentar um cancro ainda muito jovem. E a vi chorar uma única vez, quando soube da notícia. Depois enxugou as lágrimas, ergueu a cabeça e enfrentou tudo como se não fosse com ela. Venceu a briga e hoje anda por esse mundo a distribuir bondades, sempre correndo contra o tempo, como se tivesse de aproveitá-lo ao máximo, fazer valer a dádiva que recebeu. Todos os dias tento aprender com ela alguma coisa sobre como viver, de onde tirar tanta energia. Quase sempre falho, eu acho.

  7. kianda Says:

    f. ainda não tinha agradecido dividir connosco a sua história.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: