Archive for Dezembro, 2008

Xau 2008

Dezembro 31, 2008

UUFFFFAaaaaaa … chegou ao fim, que ano complicado este. E tão complicado que até no final resolveu baralhar-nos a vida – faz lembrar certas pessoas né? – e tem mais um segundo.  Imaginem a minha confusão, logo, quando eu estiver de pé na cadeira, pronta pra saltar e pisar “terra segura” com o pé direito, quando na contagem decrescente – tenho sempre saudades da voz da RNA – chegarmos ao zero, ainda tenho que aguentar a respiração por um instante e só depois saltar. E as passas?! Se calhar devemos comer 12 e 1/2 ?!

Não vai deixar saudades este ano, a mim não vai, mas continuo crente que o optimismo é uma opção de vida! E assim caminho para 2009. Tenho aprendido que posso viver um pouco melhor no meio do meu caos se, pura e simplesmente, optar por encará-lo de forma mais positiva! Procurando sempre o “bright side of life”.

Mais uma vez, a todos vocês que por aqui passam, com mais ou menos descrição, desejo do fundo do coração que 2009 seja mais calmo, mais alegre, cheio de sonhos, mas principalmente de conquistas, para todos nós!

XUUUUAAAACCCC GORDO,
Kianda

Anúncios

As “minhas” figuras de 2008

Dezembro 26, 2008

pelos seus 20 anos de carreira a cantar o sofrimento, a alegria, a solidão, a esperança do povo Angolano… pelos cerca de 21 mil fãs que encheram o estádio dos Coqueiros.

Em Angola – Paulo Flores
 
retirada da net

retirada da net

Em Portugal  – Nélson Evora

pelo salto de 17.67m que lhe valeram a medalha de ouro nos JO Pequim 2008

retirada da net

retirada da net

No Mundo – Barack Obama

porque fez história e tenho a certeza que continuará a fazer…

retirada da net

retirada da net

Feliz Natal

Dezembro 23, 2008
retirada da net

retirada da net

Para todos aqueles que por aqui passam, um Xuac Gordo de Feliz Natal !!! Com muitos doces e muitas prendinhas!!!

Genial, ontem no CCB

Dezembro 17, 2008
Concha Buika em Galapajazz 2007

Concha Buika em Galapajazz 2007 - foto da net

Já mais do que declarada a minha paixão por Concha Buika, primeiro quando a “descobri” e depois quando soube que vinha a Lisboa, em nome próprio, no CCB!

Foi ontem, e arrepiou-me, ela foi tudo que uma cantora deve ser, a voz, o sentimento e a presença!

Com os bilhetes comprados há 2 meses, por algumas questões pessoais ia perdendo um dos concertos, mais desejados, por mim, do ano, mas… depois de alguns malabarismos, alguma ajuda do pai do herdeiro, do avô do mesmo 🙂  , do próprio herdeiro a quem já agradeci milhões de vezes por me ter “deixado” ir, consegui estar no CCB às 20:30 e sentadinha na fila G para uma noite genial!

Por vezes – quase sempre – quando pomos as expectativas altas, elas acabam por ser defraudadas, desta vez superaram-se !!! Ela canta com emoção um flamenco onde entram o jazz, a ranchera mexicana, a música brasileira e africana.

O palco, sempre envolto numa nuvem de fumo que me fazia lembrar um barzinho de Jazz numa cave em NY (bar onde eu nunca estive mas que muitas vezes sonho), o piano do lado esquerdo, onde surgia – para além da presença marcante de Buika – um dos músicos que “acabou” comigo. Carlos Sarduy (a quem chamei carinhosamente de Amstrong Jr. 😉 )  um cubano de 21 anos e o seu trompete !!!

Carlos Sarduy - foto da net

Carlos Sarduy - foto da net

Mas os restantes músicos não ficavam atrás, eram realmente todos muito bons! O Destaque para a participação de Javier Limón e a sua guitarra.  Iván “Melón” Lewis (piano), Danny Noel (baixo), Ramón Porriña (percussões de flamenco) e Horacio “El Negro” Hernandez (bateria), tivemos ainda Mariza como convidada especial, num dueto e numa música a solo.

As 4 fases líquidas da vida

Dezembro 16, 2008
recebida por email - A.Lima

recebida por email - A.Lima

Ateus e o Natal

Dezembro 15, 2008

Por sugestão de uma amiga resolvi abordar o tema “Porque os ateus desejam Feliz Natal e recebem presentes de Natal?”, deixo a pergunta no ar mas aproveito para dar a minha opinião (afinal o blog é meu 😉 ).

Não tenho religião, não tenho crenças, acredito em mim e no pensamento positivo. E festejo o Natal.

Festejo o Natal porque desde que me conheço por gente o dia 25/Dezembro era o “Dia da Família”, foi assim que passou a ser considerado em Angola depois da independência. Festejo a festa da família.

Depois do meu filho ter nascido passei a fazer novamente a árvore de natal recheada de prendas, porque ele adora isso. Porque a alegria dele , o sorriso , a ansiedade, vale tudo.

Sei que o significado é o nascimento de Jesus, mas não é isso que comemoro. Não tenho anjinhos nas minhas decorações de natal ou outro qualquer símbolo religioso, tenho bolas, estrelas, flocos de neve e “pais natais”. Também não tenho presépio. 

Para mim,  o natal vale a alegria das crianças, vale as visitas às capelinhas com trocas de presentes, vale a tentativa de juntar a família que durante o ano não se vê muito. É a festa da família, grande ou pequena.

Era este…

Dezembro 15, 2008
dominic purcell - prison break

dominic purcell - prison break

… o desconhecido que eu queria ter beijado 🙂 . Já agora, não aconteceu!!!

Ele fez 100 anos e a filmar !!!

Dezembro 11, 2008

É obra. Se, eu por algum milagre chegar aos 100, terá que ser assim, com lucidez mental, senão “suicidem-me” e atirem as cinzas ao mar.

Manoel de Oliveira nasceu a 11 de Dezembro de 1908 é o mais velho cineasta em todo o mundo ainda em actividade !!! E garante ter já na calha um filme para estrear no Festival de Cannes do próximo ano, além de assumir a vontade de filmar uma autobiografia.

Cronologia de uma vida de 100 anos:
(fonte: Diario Digital)

11 de Dezembro de 1908 – Nasceu Manuel Cândido Pinto de Oliveira no Porto, mas foi registado no dia seguinte.
Filho de Cândida Pinto e Francisco de Oliveira, o primeiro fabricante de lâmpadas em Portugal, teve dois irmãos, Francisco e Casimiro, e dois meio-irmãos.
Estudou no Colégio Universal, no Porto, e num colégio de jesuítas perto de La Guardia, Galiza.

1928 – Inscreveu-se na Escola de Actores de Cinema e entrou como figurante no filme «Fátima Milagrosa», de Rino Lupo.

1929 – Começou a rodar o primeiro filme, «Douro, faina fluvial», com uma câmara oferecida pelo pai e com a ajuda do amigo e fotógrafo António Mendes.

1930 – Fez o documentário «Hulha Branca», sobre a empresa do pai.

1931 – A 19 de Setembro de 1931, no dia em que morreu Aurélio da Paz dos Reis, considerado o pai do cinema português, antestreou em Lisboa o documentário mudo «Douro faina fluvial», no Congresso Internacional da Crítica. Foi vaiado pelo público. O dramaturgo italiano Luigi Pirandello esteve presente na estreia e estranhou a pateada.

1933 – Participou como actor em «A canção de Lisboa», de Cotinelli Telmo.

1938 – Venceu a II rampa do Gradil num carro Edford. As corridas de automóveis, assim como o atletismo, são uma das suas paixões de juventude.

1940 – Casou a 04 de Dezembro com Maria Isabel Brandão Carvalhais e abandonou o automobilismo.

1941 – Estreou «Aniki Bobó», baseado no conto «Meninos Milionários», de Rodrigues de Freitas.

1941 – Nasceu o primeiro dos quatro filhos do realizador.

1946 – Em entrevista à revista Filmagem admitiu abandonar a carreira. Dedica-se à viticultura no Douro.

1955 – Fez um estágio na Agfa, em Leverkussen, Alemanha, sobre cor aplicada ao cinema.

1963 – Estreou «O Acto da Primavera» e é levado pela PIDE para interrogatório em Lisboa, onde conhece o escritor Urbano Tavares Rodrigues.

1964 – Recebeu Medalha de Ouro no Festival de Siena, Itália, com «Acto da Primavera».

1965 – Cinemateca Francesa realizou retrospectiva da sua obra.
– Dedica a curta-metragem «As pinturas do meu irmão Júlio» à obra do pintor Júlio Maria dos Reis Pereira, irmão do escritor José Régio.

Entre 1971 e 1981 realizou a «Tetralogia dos amores frustrados»: «O Passado e o Presente» (1972), «Benilde ou a Virgem Mãe» (1974), «Amor de Perdição» (1978) e «Francisca» (1981).

1978 – Estreou na RTP a uma série de seis episódios a partir de «Amor de Perdição», de Camilo Castelo Branco. O filme estrearia no ano seguinte.

1980 – Participou no filme «Conversa acabada», João Botelho

1981/1982 – Realizou «Memórias e confissões» que só pode estrear ou ser exibido publicamente depois da sua morte. Foi rodado numa casa no Porto onde o realizador viveu, conta com diálogos de Agustina Bessa-Luís e vozes de Diogo Dória e Teresa Madruga. O filme está depositado na Cinemateca Portuguesa.

1982 – Recebeu a Comenda da Ordem de Mérito da República Italiana.

1983 – Foi condecorado Comendador da Ordem de Artes e Letras de França.

1985 – Estreou o filme «O sapato de cetim», de quase sete horas, e recebeu Leão de Ouro em Veneza pelo conjunto da carreira.

1987 – Em Julho estreou-se como encenador de teatro em Itália com um espectáculo baseado no conto «De profundis», de Agustina Bessa-Luís.

1988 – Estreia do filme-ópera «Os canibais» que conta pela primeira vez com a participação de Leonor Silveira, uma das actrizes de eleição de Manoel de Oliveira.

1989 – Recebeu Comenda da Ordem do Infante D. Henrique pelo presidente da República Mário Soares

1992 – Estreia mundial de «O dia do desespero» a 30 de Maio de 1992 na Expo´92, de Sevilha, em Espanha.

1992 – Recebeu o Leopardo de honra pelo conjunto da carreira no festival de Locarno, na Suíça.

1993 – Estreia mundial de «Vale Abraão» no Festival de Cannes.

1994 – Participou em «Lisbon Story», de Wim Wenders, no qual parodia o cinema mudo e Charlot.

1995 – A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) atribuiu-lhe o Prémio Carreira.

1997 – Grande Oficial de Mérito Nacional pela República e do Governo Francês.
– Estreia «Viagem ao princípio do mundo», filme com contornos autobiográficos e protagonizado por Marcello Mastroianni. Seria o último filme do actor italiano.

1998 – Em Setembro iniciou a rodagem em França do filme «A carta», com Chiara Mastroianni.

2001 – Estreia «Porto da minha infância», encomendando por Porto – Capital Europeia da Cultura. É um regresso de Manoel de Oliveira aos lugares de infância naquela cidade.

2002 – Aos 94 anos realizou o teledisco «Momento», de Pedro Abrunhosa.

2003 – Encenou a peça «Mário eu próprio o outro», de José Régio, em Roma, Itália.

2004 – Recebeu Leão de Ouro do Festival de Veneza, de homenagem à carreira, e exibiu «O Quinto Império – Ontem e Hoje».
– Recebeu o Prémio Vittorio de Sica, em Itália.

2005 – Distinguido com a medalha de ouro do Círculo de Belas Artes de Madrid.

2007 – Distinguido com o Prémio Manuel Antunes 2007 por ser um «cineasta do Sagrado».
– Participou no filme colectivo «Chacun son cinema», de celebração dos 60 anos do Festival de Cannes, com a curta-metragem «Rencontre unique».
– Estreiou «Belle Toujours», de homenagem a «Belle de jour», de Luis Buñuel, no Festival de Cannes.
– Estreiou «Cristóvão Colombo – O enigma» no Festival de Veneza. Manoel de Oliveira e a mulher participam no filme.
– Distinguido com o «American Film Institute Silver Legacy Award» nos Estados Unidos

2008 – Doutor Honoris Causa pela Universidade do Algarve.
– Retrospectiva nos Estados Unidos pela Brooklyn Academy of Music.
– Investido membro honorário da Academia das Ciências de Lisboa.
– Distinguido, em conjunto com o escritor António Lobo Antunes, com o Prémio Terenci Moix, de Espanha.
– Palma de Ouro pela carreira e exibição de «Douro, fain fluvial» no Festival de Cannes.
– Museu de Serralves inaugura exposição dedicada à obra de Manoel de Oliveira.
– Distinguido, em conjunto com a pianista Maria João Pires, com a Medalha de Ouro de Belas Artes 2007, atribuída pelo governo de Espanha.
– Homenagem no I Congresso da Cultura Ibero-Americana, na cidade do México.
– Distinguido com o Prémio Mundial do Humanismo, atribuído pela Academia do Humanismo da Macedónia.
– Projecção da curta-metragem «Do visível ao invisível» no Festival de Veneza
– Realização de retrospectivas no Museu de Serralves e Cinemateca Portuguesa.
– Distinguido com o Prémio da Fundação Fellini, atribuído em Riminni, Itália.
– Inicia em Lisboa a rodagem do filme «Singularidades de uma rapariga loura», a partir de um conto de Eça de Queirós, que deverá estrear no Festival de Cinema de Berlim.

2009 – Manoel de Oliveira espera rodar em Fevereiro o filme «O estranho caso de Angélica», recuperando um projecto incompleto dos anos 1950, e apresentá-lo no Festival de cinema de Cannes.

Amanhã gostava de

Dezembro 11, 2008

Acordar a cantar
Dar um belo passeio de bicicleta
Tomar um Brunch numa encosta sobre o mar
Oferecer flores a toda a gente
Ir a um concerto grátis no S.Luiz
Ver um filme com pipocas gigantes
Lanchar um crepe num Miradouro
Comer castanhas na Baixa
Ir a uma exposição
Jantar com os meus amigos
Dançar à chuva
Beijar um desconhecido
Dormir com os anjinhos

Para os fãns

Dezembro 10, 2008

Como eu, Kiefer Sutherland – Série 24horas –  já tem uma estrela  no passeio da fama, em Hollywood. A estrela 2.377 de Hollywood Boulevard.

ElPais

foto: ElPais