Irrepetível

Pensei em não publicar, hesitei, mas hoje resolvi deixar aqui alguns pensamentos soltos, sem edição, que me foram atravessando a mente nos dias de UCI. Resolvi postar aqui porque achei que ele gostaria, ele gostava que eu fosse escrevendo umas coisas … Não foram dias fáceis para ninguém, e hoje percebo porquê, porque aquele não era o meu pai, o meu pai é aquele que trazemos na lembrança com o seu humor, a sua alegria, as suas histórias bem exageradas🙂 , a sua dança, a sua força e alguma irracionalidade na defesa das convicções, a sua força de viver … irrepetível !!! Esta foi a definição que um amigo fez do Baião e que eu achei genial, por isso roubei para título deste post.

Aqui fica um bocadinho de mim :

Day #1 (Segunda 2010/03/29)
O susto, o choque, o medo, o choro !!! O sentimento de injustiça. Porquê?! Não era hoje, não era. Podia ter sido antes, hoje não.
Dormir com medo que o telefone toque, dormir?! Era bom.

Day #2 (Terça 2010/03/30)
Olho e penso que não sei se quero que acordes de qualquer maneira. Tu não ías querer. Choro. Tou com a cabeça a mil, alterno tão rápido entre o choro e o riso. Já sei que a noite me trará medo, sempre o medo que o telefone toque, vou sair à noite, ouvir boa música, sugar a energia dos meus amigos, para dormir cansada.

Day #3 (Quarta 2010/03/31)
Hoje ao segurar a tua mão destes um esticão nas pernas, assustei-me. De repente senti uma esperança, que acho que não quero sentir, não suporto mais esta montanha russa, na próxima paragem eu saio.
Já não aguento o pi pi pi das máquinas. Resolvi ouvir música, Maria Gadú e sorrio. A minha vida tem banda sonora sempre teve e assim me consigo transportar para outros Universos. Já não tou aqui, já não oiço as vozes dos familiares dos outros doentes que estão a melhorar, já não oiço as vozes dos enfermeiros contentes com os doentes que estão acordados, estou longe daqui contigo. Vejo-te dançar, descalço, mãos para cima. Sorriso. Choro, mas desta vez de alegria. Bendita música.

Day #4 (Quinta 2010/04/01)
Hoje ouvi Paulo Flores, “Sembas”, sorrio ao sentir que ías gostar de ouvir também. Ndapandula. Batuco nas tuas mãos o ritmo do Semba, quem sabe não sentes e resolves acordar para dançar connosco. Lembro-me do livro que estavas a escrever com a homenagem ao Paulo Flores, lembro-me que o tenho no meu email, quem sabe um dia edito. Ohhh Pai, que sensação tão forte que tu não vais conseguir sair desta e já tenho tantas saudades tuas.

Day #5 (Sexta 2010/04/02)
Hoje mais uma vez a música foi Maria Gadú. O pensamento voou para longe muitas vezes.
Ontem um amigo meu disse que eu era boa pessoa, penso nisso. Penso como posso ser boa pessoa quando não tenho vontade de estar aqui??!! Quando a alegria de quem está feliz com o seu doente me incomoda???!! Na … já fui boa pessoa, hoje simplesmente sou !!!
Hoje já não suporto o olhar de pena da enfermeira. Não sou nem quero ser coitadinha. E tenho um grito calado na garganta.

Day #6 (Sábado 2010/04/03)
Mais um dia sem vontade de cá vir. O mesmo medo de entrar e o mesmo medo enquanto cá estou, que a máquina pare naquele exacto momento. Olho para os monitores como faço sempre a tentar identificar um sinal. Inútil, não percebo nada. E a mesma sensação, a sensação que não sei até quando aguento estas vindas diárias ao Hospital.
As minhas amigas lá fora disseram que eu era a única que ria e o meu pai é o pior doente. Vou chorar sempre? Tenho que alternar não?! E se calhar depressão é isto, o alternar entre estados.

Day #7 (Domingo 2010/04/04)
Não fui.
Tive um almoço com um amigo. Parece que é Páscoa. Bom almoço, bom papo, calmo, fiquei em paz. Começou tarde, acabou muito tarde, já passava da hora da visita, mas eu também não queria ir. Finalmente em tantos dias, tive uma sensação de paz, talvez pelo mar, pelo sol, o que é certo é que não queria perder essa sensação, mesmo que por momentos.
Descobri que vivo em sobressalto, que o telefone toque. Há telefonemas que me fazem disparar o coração, do meu irmão muito tarde, ou muito cedo … de números que não conheço.
Pedi à minha amiga M. para ligar para o Hospital a pedir notícias, eu não consigo. A resposta? A de sempre, tudo na mesma.

Day #8 (Segunda 2010/04/05)
Não fui.
Adormeci ontem a pensar se conseguiria ir trabalhar. Dá-me ataques de pânico só de pensar que tenho que ir. Depois acabo por dormir muito pouco e de manhã tou sempre cansada. Acordei e vi que não conseguiria. A minha sobrinha faz anos, há almoço de família e eu preciso de ir. Fui e foi o melhor que fiz, passei o dia com a família, a minha avó.
Mas senti tantas saudades do meu pai. Percebi que ainda não estou preparada, não sei o que é isso que as pessoas dizem “tens que estar preparada”, ainda não percebi bem como me posso preparar.
E sempre que há futebol dou por mim a ter vontade de mandar sms, de ligar, como sempre fazia, será que algum dia vai passar?!!

Day #9 (Terça 2010/04/06)
Resolvi que tinha que ir trabalhar, tinha que entrar na minha rotina. Sinto que estou à beira do abismo e só a minha rotina, só com uma grande força interior volto à terra. Tenho um filho que precisa de mim, e hoje voltei para ele. Fui trabalhar, só com meio cérebro, mas foi bom.
E a minha hora de almoço foi passada contigo. De repente reparo que estás a levar sangue, e não sei porquê acho que não é bom sinal. Choro, hoje choro como já não chorava há dias. Queria tanto que acordasses. tanto, tanto. E eu… tão racional, hoje acredito que isso é possível.

Day #10 (Quarta 2010/04/07)
Terapia ao almoço e issues ao fim da tarde não deu para te ir ver. Percebi que vou ter de falar mais sério com o Joshua, acho que é esse o meu papel. Telefonemas de números fixos desconhecidos rebentam com a minha estrutura, isto é um desgaste emocional muito grande. Neste momento tou em negação, não quero que isto aconteça, não quero. Peço mais uma vez à M. para ligar para o Hospital enquanto eu tremo.Já não percebo se ganho um minuto de vida se perco um minuto de vida.

Day #11 (Quinta 2010/04/08)
A empregada do meu pai foi lá à hora do almoço e só pode ir uma visita a essa hora. Ok, também já não tenho forças. Ela disse-lhe que ele ainda tem que ir comer feijoada🙂 !!! Ele levou mais uns balões de sangue, as plaquetas estão muito baixas, nem agora o cancro nos deixa em paz. Hoje não tá um dia fácil para mim, hoje não estou, não sou. Pairo, grito, rasgo a alma em busca de um conforto que não encontro. Hoje tudo me parece um pesadelo. Penso no meu irmão, não era naquele dia, não era. Penso nos meus irmãos, na minha avó , no meu filho … choro …

Day #12 (Sexta 2010/04/09)
Não consegui ir. Ao almoço não deu e ao fim da tarde atrasei-me…tinha pensado ir ao cinema com o Joshua mas foi um dia em que os acontecimentos foram mais rápidos que as vontades e nada deu certo, nada no dia correu como planeado. Foi também o único dia em que fiquei sem noticias porque não tenho coragem para ligar para o hospital sem saber o que vou ouvir. Pedi a uma amiga mas mais uma vez as coisas sairam trocadas, hoje não é um dia. Aliás, ele começou errado mesmo.

Day #13 (Sábado 2010/04/10)
Oh pai não gostei nada de te ver, nada. Tás com uma cor estranha e as mãos tão inchadas, tão inchadas. Olho para os monitores, mais uma vez tentando entender tudo aquilo, e por comparação há coisas que já sei ler. O índice de oxigénio que te atiram para dentro dos pulmões subiu de 11 para 20 … não é bom sinal. Mas engraçado estive sempre serena. Fiz-te massagens nas mãos para aumentar a circulação e creme nas mãos, lembrei-me de quando te pus a fazer manicure no aeroporto de Sampa, falei contigo, pedi para acordares, mas não chorei e até sorri. Vim embora com uma paz estranha no coração.

Day #14 (Domingo 2010/04/11)
Dia de Chill Out, não quis ir ao hospital e não senti que me iria arrenpender. Precisava de descansar, de tudo, a semana vai ser de dura, trabalho e ainda não tenho forças. Preciso de descansar. Tenho uma dor de cabeça estranha o dia todo, passei o domingo com Aspegic1000 e mesmo assim sempre com dor de cabeça, estranha. O meu primo foi ao hospital e o de sempre, tudo na mesma.
De repente tenho medo de deixar de ser optimista, de deixar de ser a pessoa positiva que escolhi seguir como filosofia de vida, tenho medo …

Day #15 (Segunda 2010/04/12)
Não dormi nada, a dor de cabeça nunca passou … e o telefone tocou, o telefonema que tanto medo tive de receber, chegou …
Talvez um dia destes publique isto sem edição, assim a frio …

10 Respostas to “Irrepetível”

  1. AL Says:

    Bj grande e um abraço bem apertado. Ainda só consigo comunicar ctg por escrito🙂 Continua a ser a mulher forte que foste até agora. Vais encontrar a força, acredita!

  2. NUCHA Says:

    minha querida cunhada sei que não foi facil passar por isso tudo ,ao ler isto tudo fiquei tão emocionada que chorei mas a vida é mesmo assim temos que andar em frente muita força ,sei que a tens um abraço bem apertado e claro um beijão FORÇAAAAAAAAAAA

  3. Bibbas Says:

    Gentes que marcam, gentes irrepetíveis…FB era um deles!…um branco que podia puxar a cadeira para muitos “quintais” e contar muitas e muitas historias…no meu quintal da Bafureira ele contou e encantou, com a sua imaginação fértil e o seu exagerar incomparável. Ficam as lembranças…

  4. ka..ti..nha Says:

    eu conheci-o, mal…foram poucas interacções que tive.. admirava-o de longe, deliciei-me nessas poucas ocasiões .. sentada, com as mãos a apoiar a cara.. com um sorriso.. absolutamente encantada.. a ouvi-lo contar historias, ou qdo o lia aqui e ali e me despertava exactamente as mesmas sensações que ao vivo. Irrepetível.. certamente. Um Abraço forte para ti. Bj

  5. Cafefas Says:

    Um Abraço Kianda. Sei bem o quanto gostavas do Velhote. Deus há de recompensar-vos por tamanho sofrimento. Muita coragem.

  6. Jo Ann v. Says:

    Xi-♥

  7. Cid Says:

    Sempre disseram que o Baião era filho único,a D.Silvia que me perdoe,mas ele tinha outro irmão e ele sabe muito bem,jamais sairá do meu pensamento esse amigo eterno que um dia tive o prazer de conhecer através da minha Lettinha,para ti Danny um bem haja

  8. patrek Says:

    Lindo amiga, uma autêntica declaração de amor, de repente parecia que estava a ler novamente o Paula, da Isabel Allende, um livro marcante para mim.
    Por um lado tive inveja de nunca poder vir a escrever com essa intensidade sobre alguém a quem também chamei de pai, quem me dera que sim, seria bom sinal.
    Pois é, querida, o importante é sentir, é guardar é chorar, é rir, mas conscientemente do que sentimos e isso tu sabes, pois sentiste o grande amor que ele tinha por ti. Guarda sempre com prazer todo esse sentimento, pois esse sim, será irrepetível. Um beijo grande.

  9. carlos Says:

    a vida não é facio , mas se ouver esperança de tudo vai dar certo
    ai sim , nos seremos surpreendidos novamente ( por ele )
    então se vc esta sem vontade de viver ou esta triste pq perdeu alguem que ama , pense que qualquer coisa pode acontecer , e com qualquer um ,
    as coisas , acontecem , então vivemos com pelomenos , algumas partes felizes na nossas vidas para termos recordações de bons momentos e que nos , nos esforçamos almaximo

  10. carlos Says:

    aproveitem o maximo que puderem com as pessoas que amam ,
    pois qualquer momento pode ser o ultimo ?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: