Archive for Setembro, 2013

Se faz algum sentido vem para aqui

Setembro 17, 2013

“Proibido adiar questões essenciais, por exemplo. E voltar as costas aos problemas, pois eles não desaparecem, só aumentam.

Obrigatório fazer primeiro, as primeiras coisas. E não ser reactivo, mas proactivo. Ah! E tentar viver “ao terceiro dia”, numa lógica de dar tempo ao tempo, para que certas pessoas, coisas ou acontecimentos se clarifiquem ou façam mais sentido.

Faz-me sentido.”

– roubado à Laurinda Alves – que cada vez mais me faz sentido ler

O Silêncio do Olhar

Setembro 9, 2013

Quando o olhar diz tudo e não diz nada. Quem és tu que incomoda o meu sono, que invade os meus sonhos mas nunca se junta.

Quem és tu que de repente não resiste e rompe o silêncio, por breves instantes, que pede colo nos momentos de maior carência para logo desaparecer para o lugar onde se esconde.

O teu olhar invade-me a alma, porque me pede sempre para chegar perto, sabendo nós que isso não é possível.

Hoje sei ler esse silêncio, hoje sabemos onde nos tocar, como nos tocar, sei o que gostas, quase conheco de cor cada pedacinho teu.

Até as birras, até essas, que me fazem sempre sorrir, eu conheço bem, para depois desapareceres, sem rasto, até a birra passar.

Guardo junto a mim o teu cheiro, o teu toque, quando por breves instantes, me puxas para perto de ti, para que o meu peito encoste ao teu enquanto suspiras, suspiro longo e profundo que traduz o teu desejo.

O olhar, o silêncio desse olhar, que me diz tudo, é o que guardo, porque meu amor, ambos sabemos que tu és um fantasma e eu uma pessoa normal.

E isso significa que vivemos em universos paralelos, e esses, só em sonhos, se tocam.

A Kianda e a Lua

Setembro 9, 2013

Passei por aqui para reler algumas coisas, para procurar um artigo que sabia que um dia tinha escrito, encontrei outro. Com um título que faz arrepiar, porquê? Porque foi escrito em 2008 sobre coisas que me acontecem em 2013 … Pois, como diria o outro, é isto!

Acredito em energias, acredito em sinais, acredito nas estrelas e ohhh como acredito na lua. Essa que me orienta, que me ilumina o sorriso, que tem um pacto comigo, que me tenta mostra o caminho certo…

Por vezes, não sei ler os sinais, muitas vezes não sei, mas eles estão sempre todos lá.
Este é mais um. Não sei o que é, não sei ler, não consigo entender, mas sei que me deu uma vontade grande, quase incontrolável de voltar a escrever.

E aqui tou eu, com uma roupagem nova, que talvez ainda sofra alterações, e de certeza com uma linha editorial mais intimista. Mas sempre neste silêncio que tenta ser uma voz presente.